Nódulos e Câncer

hipofise

Os nódulosde tireoide podem ser benignos ou malignos. Eles podem podem aparecer em qualquer indivíduo, independente da faixa etária e do sexo. [Imagem]

Os nódulos - benignos ou malignos - da tireoide podem aparecer em qualquer indivíduo, independente da faixa etária. Ao serem diagnosticados, o seu médico poderá indicar um exame denominado punção aspirativa com agulha fina (PAAF) para definir se os nódulos são malignos ou benignos.

Nódulos benignos

São nódulos que podem surgir ocasionalmente, tendo geralmente um curso benigno durante toda a vida do indivíduo. Necessitam de acompanhamentos semestrais ou anuais com ultrassonografia, de acordo com seu endocrinologista.

Sintomas

Nódulos pequenos são, geralmente, assintomáticos. Se forem grandes (maiores que 3cm), podem até mesmo ser visíveis na região do pescoço. Neste caso, podem surgir sintomas como compressão, falta de ar e dificuldade para engolir.

Diagnóstico

O diagnóstico do nódulo da tireoide pode ser feito no exame clínico, através da palpação do pescoço, ou por exame de ultrassonografia.

Tratamento

O tratamento, se necessário, será indicado pelo seu endocrinologista. O paciente pode optar por um tratamento conservador, com acompanhamento através de exames de ultrassonografia a cada 6 ou 12 meses, ou por meio de cirurgia.

Nódulos malignos

Denominado câncer de tireoide, são nódulos detectados através de ultrassonografia e PAAF. Necessitam de cuidados maiores, utilizando uma equipe multidisciplinar para seu tratamento.

Sintomas

Nódulos pequenos são quase sempre assintomáticos. Se maiores que 3 cm, podem até mesmo serem visíveis na região do pescoço. Raramente apresentam sintomas como alteração no tom de voz e dificuldade de deglutição.

Diagnóstico

O diagnostico do câncer de tireoide será feito conforme descrito acima, através do ultrassonografia e da PAAF.

Tratamento

O tratamento do câncer de tireoide é feito por etapas. A primeira delas é a cirurgia de retirada da glândula. A segunda se dá através do acompanhamento com seu endocrinologista, que avaliará a dose adequada para a reposição hormonal. Se necessária, a terceira etapa envolve a medicina nuclear por meio da aplicação do iodo radioativo.