Doenças da Glândula Adrenal

hipofise

As glândulas adrenais, ou suprarrenais, estão localizadas sobre os rins e são responsáveis pela produção de cinco hormônios: a aldosterona, o cortisol, os andrógenos, a adrenalina e a noradrenalina. [Imagem]

Adrenal

As glândulas adrenais, ou suprarrenais, estão localizadas sobre os rins e são responsáveis pela produção de cinco hormônios: a aldosterona, o cortisol, os andrógenos, a adrenalina e a noradrenalina. As adrenais são divididas em camadas, sendo que cada uma delas produz um hormônio diferente. De acordo com a camada e o hormônio comprometido, teremos sinais, sintomas e a indicação de tratamentos diferentes.


Cortisol

É o hormônio mais abundante da glândula adrenal. Ele é conhecido como o “hormônio do estresse” e é essencial para a nossa sobrevivência. A falta desse e de outros hormônios adrenais, é conhecida como “insuficiência adrenal”. Já a hiperprodução do cortisol é chamada de síndrome de Cushing.

Sintomas

Os sintomas dependem da falta ou da hiperprodução do hormônio.

Hiperprodução
Os mais comuns são: hipertensão, obesidade, diabetes, estrias vermelhas na região abdominal e rosto arredondado com bochechas vermelhas.

Falta de produção
Os mais comuns são: pressão baixa, dificuldade de se manter em pé, escurecimento de pele em dobras e na face e hipoglicemias.

Causas

As causas mais comuns da hiperprodução são o tumor produtor de cortisol ou o aumento de tamanho das adrenais. Por outro lado, a falta de produção é causada, na maioria das vezes, por doenças auto-imunes ou doenças infiltrativas da glândula, como a tuberculose ou micoses. A cirurgia para retirada da glândula suprarrenal também leva ao quadro de insuficiência adrenal.

Diagnóstico

Feito através de exame clínico, dosagem de hormônios no sangue e exames complementares de imagem, como a tomografia computadorizada ou a ressonância magnética.

Tratamento

Na falta de produção, o tratamento será a realizado por reposição hormonal com corticóide. A cirurgia de retirada da glândula adrenal é indicada se a causa for um tumor adrenal produtor de cortisol.


Aldosterona

É um hormônio que age nos rins. Ele é responsável pela regulação do balanço eletrolítico, ou seja, controla principalmente o sódio e o potássio no nosso corpo. A falta desse hormônio também é conhecida como “insuficiência adrenal” e vem acompanhada da falta de cortisol. A hiperprodução de aldosterona é conhecida como hiperaldosteronismo.

Sintomas

Os sintomas dependem da falta ou da hiperprodução de aldosterona.

Hiperprodução
Os mais comuns são: hipertensão elevada e persistente (depois do uso de medicamentos), fraqueza nas pernas, diminuição das taxas de potássio e excesso de sódio no sangue.

Falta de produção
Os mais comuns são: pressão baixa, dificuldade de se manter em pé, escurecimento de pele em dobras e na face e hipoglicemias.

Causas

As causas mais comuns da hiperprodução são o tumor produtor de aldosterona ou o aumento de tamanho das adrenais. Por outro lado, a falta de produção é causada, na maioria das vezes, por doenças auto-imunes ou doenças infiltrativas da glândula, como a tuberculose ou micoses. A cirurgia para retirada da glândula suprarrenal também leva ao quadro de insuficiência adrenal.

Diagnóstico

Feito através de exame clínico, dosagem de hormônios no sangue e exames complementares de imagem, como a tomografia computadorizada ou a ressonância magnética.

Tratamento

Na falta de produção, o tratamento será a realizado por reposição hormonal com mineralocorticóide. A cirurgia de retirada da glândula adrenal é indicada se a causa for um tumor adrenal produtor de aldosterona.


Andrógenos

São hormônios masculinos pouco potentes conhecidos como androstenediona, dehidroepiandrosterona e sulfato de dehidroepiandrosterona. Esses hormônios são convertidos em testosterona.

Na suprarrenal são produzidas quantidades residuais de testosterona. Nas mulheres, a suprarrenal é responsável pela produção de 50 a 60% das necessidades androgênicas. Nos homens, a quantidade de secreção é menor, já que a maior produção de andrógenos é feita nos testículos.

Sintomas

Tumores nessa região podem levar a um quadro de “virilização” nas mulheres, como o aparecimento de pelos no rosto, engrossamento do timbre de voz, aumento do clitóris, acne na face e tórax, aumento de pilificação generalizada e até calvície. Nos homens, os sintomas são mais sutis.

Causas

O adenoma (benigno), o carcinoma (maligno) e a hiperplasia (aumento) adrenal podem causar o aumento da produção de andrógenos. Nos carcinomas, o quadro clínico é bem mais acentuado.

Diagnóstico

Feito através de exame clínico, dosagem de hormônios no sangue e exames de imagem, como a tomografia computadorizada e ressonância magnética.

Tratamentos

Nos casos de hiperplasia, o tratamento é feito com medicação via oral. A cirurgia é indicada para a retirada do tumor ou da adrenal nos casos de adenoma e carcinoma.


Adrenalina e Noradrenalina

São dois hormônios produzidos no centro da glândula adrenal. Eles agem em praticamente todo o nosso corpo, influenciando o humor, a ansiedade, o sono, a alimentação e influenciam nas batidas do coração.

A falta de produção desses hormônios pela glândula adrenal é compensada pela produção nos glânglios ditos “simpáticos”. A hiperprodução desses hormônios é causada por um tumor chamado de “feocromocitoma”, que se desenvolve na região medular da glândula adrenal.

Sintomas

Os mais comuns são: dores de cabeça, tremores, hipertensão, taquicardia, sudorese e rosto vermelho, que podem ser confundidos com a síndrome do pânico. Os sintomas são decorrentes do feocromocitoma e da liberação exagerada de adrenalina e noradrenalina no sangue.

Diagnóstico

É feito através de exame clínico, dosagem de hormônios no sangue e exames de imagem, como tomografia computadorizada e ressonância magnética.

Tratamento

Nestes casos, é indicada a cirurgia para a retirada do tumor.