Tireoide na Gravidez

A tireoide é uma glândula muito importante na gestação, pois está ligada a todas as fases da gravidez, desde a ovulação até o desenvolvimento completo do bebê.

Os níveis dos hormônios da tireoide sofrem alterações fisiológicas durante a gestação. No primeiro trimestre, o bebê depende do hormônio materno para se desenvolver, e portanto, haverá um aumento de volume da glândula da mãe para atender a demanda fetal. A partir da 13° semana de gestação, o feto já tem sua tireoide, mas ainda pode sofrer influência dos hormônios maternos.
As duas doenças mais comuns na gravidez são o hiper- e o hipotireoidismo.

O hipotireoidismo, se não tratado, pode impedir a ovulação, causar abortamento e trazer alterações importantes no feto, como retardo mental.

No caso do hipertireoidismo, a principal doença tireoideana que leva a um aumento da produção de hormonios é a Doença de Graves, uma doença auto-imune causada pela produção anormal de anticorpos estimuladores da tireoide.  A doença é mais intensa no início da gestação e no pós-parto. Geralmente o tratamento é feito com medicação por via oral, já que a aplicacação do radioiodo é contraindicada na gravidez. O objetivo do tratamento é controlar o excesso de hormônios da mãe, mas cuidando muito para não causar deficiência do hormônio no bebê.

As doenças da tireoide não são contraindicação para amamentação, porém, a decisão sobre a amamentação vai depender da gravidade do quadro de hipo ou hipertireoidismo e da dose e do tipo de medicamentos que esta sendo usado pela mãe.
No pós parto, a gestante tem novamente chances de desenvolver distúrbios da tireoide. Portanto, o acompanhamento antes, durante e após a gravidez com o endocrinologista é fundamental.